Arquivo | África RSS feed for this section

Zanzibar, Tanzânia

24 dez

Zanzibar - Praia de Nungwi

Zanzibar é nome dado ao conjunto de duas ilhas do Arquipélago de Zanzibar, ao largo da costa da Tanzânia, na margem leste-africana, de que formam um estado semi-autônomo. Também conhecida como Ilha das Especiarias, Zanzibar é um paraíso verde e tropical, com recifes de coral e coqueiros que se alinham junto às praias de areia branca. Este foi um ponto de passagem para milhares de comerciantes que viajavam entre a África, a índia e a Arábia Saudita. Ao longo de sua história, recebeu influências muçulmana, árabe, persa, portuguesa e inglesa. Hoje, sua costa continua a encantar os turistas com muitas pequenas ilhas e rochas cobertas por manguezais.

Pontos de interesse

Cidade de Pedra: é a parte mas antiga da cidade de Zanzibar. O centro antigo é construído numa península triangular de landa na costa oeste da ilha. A parte mais antiga do centro consiste de um aglomerado de becos próximos a casas, lojas, bazares e mesquitas. Os carros são algumas vezes muito grandes para circular em muitas das enroscadas curvas. A arquitetura suahili incorpora elementos dos estilos árabe, persa, indiana, europeia e africana. As casas árabes são particularmente notáveis porque têm uma larga e adornada porta de madeira com formas não usuais tais como pórticos anexos de madeira.

Palácio Museu: também conhecido como Palácio do Sultão (Beit el-Sahel, em árabe), é um dos principais edifícios históricos da Cidade de Pedra. É um edifício de 3 andares com paredes brancas decoradas, localizado em frente ao mar. O palácio foi construído no final do século XIX para servir como residência para família do sultão. Após a Revolução de Zanzibar, em 1964, foi formalmente renomeada para Palácio do Povo e utilizado como sede do governo. Em 1994, tornou-se um museu sobre a família real Zanzibari e foi formalmente renomeada novamente, desta vez para “Palácio Museu”.

Velho Forte: construído pelos árabes omanis, em 1710, no lugar de uma capela portuguesa, foi usado como hospedaria de exército. É o edifício mais velho da cidade e, atualmente, as ruínas desse antigo forte árabe (pois só existe sua fachada) serve como cenário para shows ao ar livre.

Praia de Nungwi: A praia de Nungwi é uma das mais bonitas de Zanzibar. Encontra-se na extremidade norte da ilha. Nesta praia não há corais e não é muito profunda, o que a torna no lugar ideal para nadar.

Quando visitar?

É possível visitar Zanzibar em todas as épocas do ano. No entanto, o melhor período é o inverno, de junho a setembro, quando o tempo está mais seco e muitos turistas combinam visitas com safáris.

Informações úteis

  • Moeda: Xelim tanzaniano
  • Idioma: Suahíli e Inglês
  • Fuso horário: +3 (UTC)
  • Visto: Brasileiros necessitam de visto de entrada.
  • Clima: Zanzibar possui um clima tropical. A temperatura média anual é de 26°C.
  • Maiores informações: http://www.zanzibartourism.net/ (em inglês)
Anúncios

Túnis, Tunísia

1 dez

Túnis - Bab el Bahr

Túnis é a capital e cidade mais populosa da Tunísia. Apesar da sua localização na costa mediterrânica, Túnis é uma cidade com poucas praias, o que a salvou das enchentes de turistas que invadiram as cidades do norte e sul do país. Em compensação, possui uma combinação de monumentos históricos, souqs, e contemporaneidade a fazem uma das mais fascinantes cidades tunisinas.

Pontos de interesse

Museu do Bardo: Reúne uma das maiores coleções do mundo de mosaicos romanos, bizantinos e cartagineses. Está lá a fonte do pouco que se sabe sobre a vida cotidiana da cidade de Cartago, fundada no ano de 800 a.C. pelos fenícios e destruída pelos romanos 146 a.C., ao final das guerras púnicas contra Roma.

Medina de Tunis: A antiga cidade murada, construída no século VII, abriga um vívido mercado e é o coração histórico e cultural da cidade. Comprar é uma aventura como descrita em qualquer artigo sobre países de tradição árabe e que, às vezes, parece um pouco caricatural, com negociações começando em US$ 100 e terminando em US$ 5.

Mesquita Zitouna: Uma das mais antigas do mundo, esta mesquita foi reconstruída no século XIX sobre uma estrutura do século VII. É uma das poucas em todo país que permite a entrada de visitantes não-muçulmanos. Presta atenção à colunata ao redor do páteo, que reúne 200 colunas retiradas das ruínas da antiga Cartago.

Bab el Bahr: Bab el Bahr significa “Portão para o Mar”. Antes de os franceses chegarem no século XIX, era exatamente isso que era: nessa altura só havia campo aberto aí, até ao Lago de Túnis. Para os franceses, o Bab el-Bahr tornou-se um símbolo, um portão entre a parte oriental e a parte europeia de Túnis. Desde aí ganhou o se outro nome, “Porte de France”.

Quando visitar?

Primavera e outono são as estações ideais, embora o inverno também não seja muito rigoroso. Evite o auge do verão (julho e agosto), a multidão e o calor são excessivos.

Informações úteis

  • Moeda: Dinar Tunisiano
  • Idioma: Árabe
  • Fuso horário: +1 (UTC)
  • Visto: brasileiros não necessitam de visto de entrada, para viagens a turismo ou negócios.
  • Clima: Túnis tem um clima mediterrânico caracterizado por verões quentes e secos e invernos frios e chuvosos. A temperatura média anual é de 18°C.
  • Maiores informações: http://www.commune-tunis.gov.tn (em árabe, francês ou inglês)

Sharm el-Sheikh, Egito

8 nov

Sharm el-Sheikh - Parque Nacional Ras Mohamed

Sharm el-Sheikh é uma cidade situada na ponta sul da Península do Sinai, na Subdivisão do Sinai do Sul, Egito, sobre a faixa costeira ao longo do Mar Vermelho. Se o brilho intenso do sol, as praias virgens, as águas de cor azul celeste, o deserto e as montanhas como pano de fundo fazem parte das férias perfeitas, então não há nada melhor do que escolher Sharm el-Sheikh na bela Riviera do Mar Vermelho no Egito como seu próximo destino de viagem.

Pontos de interesse

Tiran Island: Vale a pena pegar um barco e passar o dia na pequena Tiran Island para mergulhar de snorkel em Ras Mohamed. A ilha não tem muito mais do que areia, mas as águas ao redor estão cheias de recifes incríveis e rasos.

Monte Sinai: Há safáris de um dia para o Monte de Moisés e dos Dez Mandamentos. Mas o passeio noturno é uma oportunidade diferente, de subir e aguardar o maravilhoso alvorecer. Lembre-se de trazer roupas bem quentes e cobertores, já que a temperatura fica entre 0 e 10º à noite e os ventos e a neve são inclementes.

Monastério St Catherine: O monastério St Catherine data de 337 d.C. e foi erguido a pedidos da imperatriz bizantina Helena, ao redor da Sarça Ardente. Os monges moram aqui até hoje e sua biblioteca religiosa só perde para a do Vaticano.

Parque Nacional Ras Mohamed: Paraíso dos corais, Ras Mohamed é uma reserva marinha no extremo sul do Sinai, criada como área de proteção ambiental somente a partir de 1983. Além de raposas, gazelas e passáros migrantes e residentes, há milhares de espécies de peixes coloridos e nômades beduinos. Um dos principais locais de mergulho do Oriente Médio, o parque inclui as ilhas de Tiran e Sanafir.

Quando visitar?

Embora a cidade atraia turistas durante todo o ano, Sharm el-Sheikh oferece as melhores condições climáticas para visitação no período de março a maio e de setembro a novembro.

Informações úteis

  • Moeda: Libra egípcia
  • Idioma: Árabe
  • Fuso horário: +2 (UTC)
  • Visto: cidadãos brasileiros não precisam de visto para visitar a Grécia por um período de permanência de até 3 meses.
  • Clima: o clima de Sharm el-Sheikh é muito quente. Em média, as temperaturas variam entre 35°C e 45°C no verão e 20°C e 25°C no inverno.
  • Maiores informações: http://www.sharmelsheikh.com/ (em inglês) e http://www.timeout.com.br/viagem/sharm-el-sheikh

Porto Elizabeth, África do Sul

26 set

Porto Elizabeth - Donkin Reserve and Lighthouse

Localizada ao longo da costa do Cabo, Porto Elizabeth é a segunda cidade mais antiga da África do Sul e um dos principais destinos da África do Sul procurados por turistas, muitos dos quais vêm simplesmente para desfrutar das muitas praias finas da cidade.

Com cerca de 40 km de praias deslumbrantes e mais de 300 dias ensolarados por ano, Porto Elizabeth é popularmente conhecida como a capital sul africana dos esportes aquáticos. Em Algoa Bay, o mergulho, pesca esportiva, surf, windsurf, kitesurf, entre outros, são praticados. Há muitos cruzeiros oferecidos no porto, desde saídas no pôr do sol para ver golfinhos até passeios para observação de baleias.

Pontos de interesse:

Addo Elephant National Park: terceiro maior parque nacional da África do Sul, o Addo Elephant National Park tem se expandido para conservar a biodiversidade, as paisagens, a fauna (habitat de preservação de elefantes e rinocerontes) e a flora.

Bayworld: O complexo Bayworld é uma das maiores atrações turísticas de Porto Elizabeth. Há um museu com algumas exposições culturais e histórico-naturais, incluindo um dinossauro gigante reconstruído e um enorme esqueleto de baleia. O Oceanário é um lugar fascinante para ficar cara a cara com a vida marinha, de cavalos-marinhos a tubarões. Há shows diários de golfinhos e focas. No Parque Snake, há uma chance de chegar perto de algumas espécies raras de répteis e crocodilos.

Donkin Reserve and Lighthouse: Uma visita a Reserva Donkin é uma das maiores atrações de Porto Elizabeth. A Reserva é, na verdade, um vasto espaço que foi criado para o público em 1820 pelo governador britânico do Cabo, Sir Rufane Donkin. No local há uma pirâmide de pedra, erguida em homenagem a sua falecida esposa, Elizabeth. Há também um farol que, além de ser um Monumento Nacional, é também a sede do Posto de Informação Turística da cidade.

Port Elizabeth Opera House: O Port Elizabeth Opera House é o teatro mais antigo da África. Construído em 1892, a primeira peça a ser encenada no novo teatro foi ‘Peter Pan’. Desde então, a Opera House tem sido regularmente utilizada por sociedades artísticas locais, bem como grupos internacionais de teatro.

Seaview Game and Lion Park: Seaview Game oferece uma chance de chegar perto de alguns dos grandes animais da África do Sul. Ao visitar este parque é  possível ver algumas das maiores atrações, incluindo uma coleção de leões brancos, todos nascidos em Seaview Game e no Lion Park.

Quando visitar?

Os meses entre setembro e maio oferecem o melhor clima para viajar

Informações úteis

  • Moeda: Rand
  • Idioma: A cidade possui vários dialetos sul-africanos, porem o inglês e o africâner são os idiomas mais falados.
  • Fuso horário: +2 (UTC)
  • Visto: Para entrar na África do Sul não é necessário ter visto de turismo. Porém, para que possa passar pela imigração sul-africana, seu passaporte deverá possuir 30 dias de validade e uma página em branco na seção de vistos.
  • Clima: No verão (de outubro a abril), a grande quantidade de ventos ameniza o calor. No inverno, a subtropical Porto Elizabeth tem pela manhã temperaturas perto dos 20 graus, com mínima à noite de 9º C.
  • Maiores informações: http://www.portelizabeth.co.za/ (em inglês)

Mombaça, Quênia

13 ago

Mombaça - Forte Jesus de Mombaça

Mombaça é uma cidade queniana, capital da província da Costa. Localiza-se na costa do Oceano Índico e é a segunda maior cidade do país, com cerca de 900 mil habitantes. Famosa por suas praias de areias alvas e pela fascinante Cidade Antiga. A arquitetura islâmica lembra muito as terras árabes, com mesquitas e bazares onde você pode comprar produtos artesanais locais. Além de suas belas praias, Mombaça oferece uma história cultural diversa. A cidade mistura muitas de suas tradições culturais que deixaram uma influência duradoura sobre a comida, a arquitetura e as pessoas da cidade.

Pontos de interesse

Forte Jesus de Mombaça: Ergue-se no topo de uma formação de coral, sobranceira à entrada do antigo porto de Mombaça, e tinha a função de defesa daquela escala das rotas comerciais portuguesas entre o Estado da Índia e os seus interesses na África Oriental, na passagem do século XVI para o XVII. É considerado pelos estudiosos na atualidade como um dos representantes mais significativo da arquitetura militar portuguesa do século XVI na costa oriental africana. Encontra-se classificado pela UNESCO como Patrimônio Mundial.

Cidade Velha: Passear pela cidade velha é todo um prazer. Existem numerosas construções do tipo inglês com fortes influências indianas. São de interesse a Casa Leven, a Ponte Nova de Nyali, a Catedral Anglicana de influência islâmica e a Praça do Tessouro, com construções de princípios do século.

Bamburi Beach: é uma das praias mais frequentadas de Mombaça, em parte por ser sobre os seus areais que fica a maioria dos melhores hotéis da cidade, irresistível pelo seu mar morno e muito cristalino, onde se pode fazer snorkeling e embarcar num típico show, ao entardecer, para um cruzeiro ao largo com jantar de lagosta incluído.

Quando visitar?

A melhor época para visitar Mombaça é durante os meses de verão (de dezembro a março ), e se você gosta de enfrentar noites mais frias, a temporada de inverno (de julho a setembro) também é recomendada. O verão é a alta temporada turística, e este período é ideal para a prática de esportes aquáticos e atividades na praia. Os meses de julho a setembro são também considerados como uma boa época para visitar Mombaça, pois os dias são quentes e umidade é menor.

Informações úteis

  • Moeda: Xelim queniano
  • Idioma: Inglês e Suaíli
  • Fuso horário: +3 (UTC)
  • Visto: Brasileiros necessitam de visto de entrada no Quênia.
  • Clima: Mombaça tem um clima quente e tropical, especificamente um clima tropical úmido e seco. A quantidade de chuvas depende essencialmente da época do ano. Os meses mais chuvosos são abril e maio, enquanto em janeiro e fevereiro a precipitação é mínima.
  • Maiores informações: http://www.mombasainfo.com/ (em inglês)

Marrakech, Marrocos

2 ago

Marrakech - Mesquita Kutubiyya

Marrakech é uma cidade do sudoeste do Marrocos, próxima ao sopé da cordilheira do Alto Atlas, conhecida como a “cidade vermelha”, a “pérola do sul” ou a “porta do sul”. É a capital da prefeitura homônima, a qual faz parte da região de Marrakech-Tensift-El Haouz. Possui o maior suq (zoco, mercado tradicional) do país, ademais de uma das praças mais movimentadas da África, a Djemaa el Fna, que abriga acrobatas, vendedores de água, dançarinos, músicos e barracas de comida.

Pontos de interesse

Medina de Marrakech: é a cidade velha construída pelos muçulmanos na Idade Média. Cercada por muralhas ocre-avermelhadas, com 19 km de extensão, a medina de Marrakech abriga quase metade da população. As muralhas que a cercam, do século 12, mudam de tonalidade de acordo com a intensidade do sol. Não perca o nascer do dia ou o pôr-do-sol perto da Bab Agnaou, uma das oito portas de entrada.

Praça Jemaa El Fna: é a praça mais movimentada de Marraquexe, com vários espetáculos como saltimbancos, acrobatas, encantadores de serpentes, engolidores de espadas, curandeiros, músicos, dançarinos, contadores de histórias, etc. À noite, as barracas de comida típica dominam a praça, juntamente com centenas de turistas e locais.

Palácio El-Bahia: Entre os palácios, o mais impressionante de Marrakech é o El-Bahia, construído em fins do século 19. O edifício é composto por um emaranhado de pátios, salões e jardins internos, onde se destaca o fino trabalho de decoração muçulmano de arabescos e azulejaria.

Palácio El-Badi: Datado do século 16, o palácio El-Badi está praticamente em ruínas, o que não torna sua visitação menos interessante: além de oferecer uma vista única da cidade, permite conhecer um púlpito de madeira construído no século 10 na cidade espanhola de Córdoba. É tratado como uma das obras-primas da arte muçulmana, com grande valor espiritual para os marroquinos.

Mesquita Kutubiyya: Principal monumento e ponto de referência, o minarete da mesquita pode se visto de muitos pontos da cidade. Terminada no século 12, serviu de inspiração para a mesquita de Sevilha (Giralda) e para a torre de Hassan, em Rabat. Está situada bem próxima à Praça Djemaa El-Fna. A entrada é permitida somente aos muçulmanos, mas os jardins que a circundam rendem agradáveis passeios em meio a laranjeiras e rosas de onde se pode observar os marroquinos jogando conversa fora. Guarda vistas preciosas especialmente no pôr-do-sol e à noite.

Tumbas de Saadian: Mausoléu do século 16, ali está enterrado -entre outros- o sultão
saadi Muley Ahmed Al Mansaour. Na construção se observam detalhes de decoração arquitetônica local com influência espanhola: trabalhos em madeira, mosaicos de parece, teto com estalactites trabalhadas, colunas de mármore e versos do alcorão gravados nas paredes.

Quando visitar?

Marrakech pode ser visitada em qualquer época do ano, exceto durante o verão, pois a cidade é muito quente, com temperaturas que rondam uma média de 38ºC.

Informações úteis

  • Moeda: Dirham
  • Idioma: Árabe
  • Fuso horário: +0 (UTC)
  • Visto: Brasileiros estão isentos de visto à turismo/negócios para permanência de até 90 dias.
  • Clima: O clima é mediterrânico seco. A temperatura média anual é de 19°C e oscila entre os 12°C, em janeiro, e os 28°C, em julho. As precipitações são de 247 mm anuais, concentradas de outubro a maio, muitas vezes de forma torrencial.
  • Maiores informações: http://www.marrakech-cityguide.com/ (em francês)

Luxor, Egito

18 jul

Luxor - Templo de Luxor

Luxor é uma cidade do sul do Egito, capital da província de mesmo nome. A Luxor moderna cresceu a partir das ruínas de Tebas, antiga capital do Império Novo (1550-1069 a.C.) e situa-se a 670 km ao sul do Cairo. A sua riqueza, tanto arquitetônica como cultural, fazem dela a cidade mais monumental das que albergam vestígios da antiga civilização egípcia. O Nilo separa Luxor em duas partes: a margem oriental, outrora consagrada aos vivos, onde encontramos os vestígios dos mais importantes templos consagrados aos deuses da mitologia egípcia, e a margem ocidental, consagrada aos mortos, onde se localizam algumas das mais importantes necrópoles do antigo Egito, segundas em importância relativamente às existentes no planalto de Gizé, no Cairo, e onde foram feitos alguns dos achados arqueológicos mais significativos da antiga civilização, designadamente o túmulo de Tutankhamon, descoberto em 1922 pelo célebre arqueólogo inglês Howard Carter.

Pontos de interesse

Templo de Luxor: foi iniciado na época de Amenhotep III e só foi acabado no período muçulmano. É o único monumento do mundo que contém em si mesmo documentos das épocas faraônica, greco-romana, copta e islâmica, com nichos e frescos coptas e até uma Mesquita (Abu al-Haggag).

Templo de Karnak: é o maior dos templos do antigo Egito, cujos vestígios chegaram até nós, foi dedicado à tríade tebana divina de Amon, Mut e Khonshu, e foi sucessivamente aumentado pelos diversos faraós, tendo levado mais de mil anos a construir. Constitui uma mescla de vários templos fundidos num só. O seu grande destaque é a Grande Sala Hipostila, cujo teto era suportado por 134 enormes colunas, ainda atualmente existentes, e consideradas como sendo as maiores do mundo.

Vale dos Reis: principal necrópole real do Império Novo do antigo Egito, possui 62 túmulos dos faraós desse período e também os túmulos dos faraós Tutankamon, Ramsés IX, Seti I, Ramsés VI e o de Horemheb. Ainda hoje se continuam a retirar jóias dos túmulos dos filhos de Ramsés II. Os túmulos ali existentes designam-se pelas siglas KV (significando Kings Valley, em português vale dos reis) seguidas de um número, sendo este atribuído consoante a ordem cronológica da descoberta de cada túmulo. No total existem 62 túmulos, sendo o mais importante precisamente o número 62, o do Faraó Tutankhamon, mais pelo espólio do achado do que porventura a importância do faraó. Em 1994 os arqueólogos começaram a escavar o túmulo KV5, considerado pouco importante até então. Encontrou-se o maior e mais complexo túmulo do Vale dos Reis. Julga-se ter encontrado o túmulo dos 52 filhos de Ramses II. Até agora foram descobertos uma sala com 16 colunas, vários corredores e mais de 100 câmaras. Apesar de não terem sido encontrados tesouros, foram no entanto recuperados do entulho milhares de artefatos. Os trabalhos arqueológicos, ainda longe do fim, prolongar-se-ão por vários anos antes de se abrir o túmulo ao público.

Quando visitar?

A melhor época para visitar Luxor é entre Dezembro e Fevereiro, mas é também a alta temporada. Uma boa alternativa é visitar na primavera (Março a Maio) ou outono (Setembro a Novembro).

Informações úteis

  • Moeda: Libra egípcia
  • Idioma: Árabe
  • Fuso horário: +2 (UTC)
  • Visto: Brasileiros precisam de visto para entrar no Egito. Consulte o consulado para obter maiores informações.
  • Clima: o clima de Luxor é árido subtropical, com temperaturas razoáveis durante o ano todo.
  • Maiores informações: http://www.touregypt.net/luxor/ (em inglês)

Johanesburgo, África do Sul

20 jun

Johanesburgo - Centro

Johanesburgo é uma das mais notáveis cidades da África do Sul. A maior cidade sul africana é também a mais rica e, sem dúvida, a maior potência econômica da África, pois possui uma das 40 maiores áreas metropolitanas do mundo. Apesar de às vezes ser confundida como capital da África do Sul, a cidade não é um dos centros políticos do país.

Os habitantes locais apelidaram a cidade com o nome de “Jo’burg”, “Jozi” e “eGoli”.

Johanesburgo não é tradicionalmente conhecido como um destino turístico, mas a cidade é um ponto de escala de voos para Cidade do Cabo e Durban. Consequentemente, a maioria dos visitantes estrangeiros da África do Sul passa por Johanesburgo pelo menos uma vez, que lidera no desenvolvimento de mais atrações turísticas do país.

Para quem visita a cidade pela primeira vez, Johanesburgo pode ser um pouco assustadora, ainda mais por causa da falsa representação criada pelos meios de comunicação de Johanesburgo, que descrevem a cidade como uma espécie de zona de guerra. Porém, uma vez atingido pela vibração de Jozi, todos os turistas querem voltar.

Pontos de interesse

Museu do Apartheid: mostra parte da história da África do Sul, incluindo os conflitos da época de segregação racial.

Soccer City: Construído em 1987, Soccer City já foi palco de algumas das mais memoráveis partidas da história do futebol da África do Sul. O estádio comporta em torno de 94.700 pessoas por partida.

SAB World of Beer: Qual entusiasta da cerveja recusaria dois copos de cerveja bem gelada depois de um tour que engloba a arte de fazer e fermentar cerveja? Desde a inauguração, há mais de dez anos atrás, o mundo da cerveja se tornou uma atração muito popular tanto para os turistas quanto para os sul-africanos, e não é difícil de acreditar, dada a grande cultura da cerveja do país. O tour conta a fascinante história da cerveja, que começa na antiga Mesopotâmia e continua até os dias atuais na África e na Europa. Um passeio pela amostra de preparação da SAB, uma cervejaria em larga escala, dá uma idéia da escala de produção de uma bebida que a maioria de nós bebe casualmente. Após a preparação, o processo de fermentação é detalhado e a importância dessa etapa na produção da cerveja é descrito. Isso ocorre antes de uma parada na sala de degustação para desfrutar um copo ou dois de cerveja.

Constitution Hill: Em nenhum outro lugar a história do passado turbulento da África do Sul e sua transição para a democracia extraordinário pode ser contada como ela é em Constitution Hill. Este patrimônio nacional tem assistido mais de um século de história sul africana. Desde rebeldes soldados britânicos que lutaram com os Boers na virada do século, até os jovens apanhados no levante de Soweto, do alvorecer da democracia até a construção da nova Corte Constitucional da África do Sul, Constitution Hill testemunhou tudo. Exposições e visitas guiadas foram concebidos como uma experiência interativa, oferecendo aos visitantes a oportunidade de participar na construção da Constitution Hill.

Kruger National Park: localizado a 600km de Johanesburgo, o Parque Nacional Kruger na África do Sul explora suas vastas paisagens espetaculares e a vida selvagem africana. De emocionantes passeios de carro até safáris a pé, é possível descobrir o que é estar perto de um Leão e sentir a emoção e a intensidade de um safári no Kruger National Park. A maioria das pessoas que vão para a África do Sul deseja ver os cinco mamíferos selvagens de grande porte mais difíceis de serem caçados pelo homem – conhecidos como “Big Five”. Com aproximadamente 2.000 leões, 12.000 elefantes, 5.000 rinocerontes e 1.000 leopardos, o Parque Kruger é definitivamente um bom lugar para visitar.

Quando visitar?

Dá para visitar o país o ano todo – as estações são bastante parecidas com as do Brasil. Se deseja fazer um safári pelos arredores estiver nos seus planos, prefira ir entre agosto e outubro, quando a vegetação está mais rala e é mais fácil ver os animais

Informações úteis

  • Moeda: Rand
  • Idioma: A cidade possui vários dialetos sul-africanos, porem o inglês e o africâner são os idiomas mais falados.
  • Fuso horário: +2 (UTC)
  • Visto: Para entrar na África do Sul não é necessário ter visto de turismo. Porém, para que possa passar pela imigração sul-africana, seu passaporte deverá possuir 30 dias de validade e uma página em branco na seção de vistos.
  • Clima: O verão se apresenta chuvoso, embora a temperatura máxima passe dos 30º C, enquanto no inverno a mínima em algumas ocasiões fica abaixo de zero, por causa da altitude.
  • Maiores informações: http://www.joburgtourism.com/ (em inglês)

Hurghada, Egito

3 jun

Harghada - Deserto Oriental Africano

Hurghada é um dos destinos mais populares do Egito. Antigamente somente uma vila de pescadores, hoje com seus naufrágios, corais e água cristalina se tornou um paraíso dos viajantes. Mais de 20km de praias, esportes radicais, mergulho securamente poderão satisfazer os mais diversos tipos de turista.

Pontos de interesse

Dive Point Red Sea: é um dos melhores lugares para a prática de mergulho. A equipe de mergulho local transforma a experiencia em algo unico e inesquecivel.  

Deserto Oriental Africano: localiza-se a leste do Rio Nilo, e a oeste do Mar Vermelho, sendo limitado a sul pelo Deserto da Núbia. Estende-se do do norte de Egito até o sul da Eritreia e o nordeste do lago Nasser, e parte em Sudão e Etiópia, tendo 22 000 km². A sua maior altitude localiza-se no monte Gebel Shayib al-Banat, a sul de Hurghada, com 2 187 metros. Este deserto é rico em recursos naturais, há grandes campos de petróleo no Egito (onshore e offshore no Golfo do Suez) e depósitos de fosfato, tungstênio,amianto, manganês, molibdênio, urânio e, a mineração de ouro era abundante na Antiguidade.

Makadi Water World: Com mais de 50 escorregadores diferentes para crianças e adultos, incluindo um escorregador de 19 metros de queda livre, túnel e mini arco-íris é o maior e melhor parque aquático do Egito, indicado para toda a família.

Quando visitar?

A melhor época para visitar Hurghada é em outubro e novembro, quando o clima fica mais ameno.

Informações úteis

  • Moeda: Libra egípcia
  • Idioma: Árabe
  • Fuso horário: +2 (UTC)
  • Visto: cidadãos brasileiros não precisam de visto para visitar a Grécia por um período de permanência de até 3 meses.
  • Clima: Hurghada tem um clima subtropical seco, com invernos mornos e verões muito quentes. A temporada de verão dura o ano inteiro. As temperaturas no período  de dezembro a fevereiro são moderadamente quentes, e de junho a setembro são muito quentes. A temperatura média anual é de 24°C.
  • Maiores informações: http://www.hurghada-tourism.com/ ou http://www.touregypt.net/hurghada/ (ambos em inglês)

Hammamet, Tunísia

27 maio

Hammamet - Carthage Land

Hammamet é uma cidade localizada no Mar Mediterrâneo, no nordeste da Tunísia. É o destino turístico mais antigo do país. Celebrada por intelectuais e artistas no início do século passado, Hammamet preserva imaculada a sua cidadela medieval, assim como a beleza dos seus areais banhados pelo Mediterrâneo. E, se na Primavera e Outono seduz quem procura a tranquilidade e poesia das suas vielas perfumadas a flor de laranjeira, no Verão delicia os amantes de praia inveterados.

Pontos de interesse

Carthage Land: Parque de diversões onde são explorados, de forma lúdica, alguns capítulos da História do país.

Medina Mediterrânea: Cidade-museu onde o turista pode experimentar o cotidiano de uma cidade medieval magrebina, em pleno século XXI.

Pupput: Ruínas da cidade romana do século II a.C., apontada como a povoação precursora de Hammamet. Situa-se6 km a Sul do centro da cidade.

Grande Mesquita de Hammamet: a Grande Mesquita é uma famosa área de adoração em Hammamet. Considerado como um ponto islâmico formado de coleções de artefatos, esta mesquita está localizada no centro da cidade.

Praia de Hammamet: de areia dourada e branca, a praia de Hammamet é limpa, com variados serviços e equipamentos nas zonas hoteleiras. Nas águas da praia podem ser praticadas diversas atividades, tais como mergulho ou natação.

Quando visitar?

A melhor época para visitar Hammamet vai de maio a outubro, pois o clima é mais agradável nesse período.

Informações úteis

  • Moeda: Dinar Tunisiano
  • Idioma: Árabe
  • Fuso horário: +1 (UTC)
  • Visto: brasileiros não necessitam de visto de entrada, para viagens a turismo ou negócios. 
  • Clima: O clima de Hammamet encontra-se sujeito a influências mediterrânicas e saarianas, caracterizado por invernos amenos e verões quentes e secos. As temperaturas médias são de 12°C em Dezembro e 30°C em Julho.
  • Maiores informações: http://www.sunnytunisia.com/Tunisia/Locations/Hammamet.html (em inglês)
%d blogueiros gostam disto: